11 de ago de 2008

DO VERBO PLAGIAR

Descobri que sou fina e tenho classe. Pelo
menos quando o assunto é plágio. Afinal, é a segunda vez que descubro que
copiaram algum texto meu sem colocar os devidos créditos e não faço
escândalo
nem culpo as mães dessas pessoas desprovidas de criatividade.
Nunca fiz nada
parecido e tudo o que postei aqui até hoje fui eu mesma que
fiz. Até os textos
mais idiotas que foram publicados quando eu estava um
tanto quanto alcoolizada
(mentira). Mas enfim, me orgulho de nunca ter ido
em páginas alheias e dado um
Ctrl C com intuito de me passar como autora de
algo que não escrevi. Mas
infelizmente já fui vitima disso por duas vezes e
senti, nessas duas vezes, uma
vontade enorme de olhar nos olhos dessas
pessoas e perguntar se vale mesmo a
pena escolher os caminhos mais fáceis na
vida. Isso acontece tanto, a todo o
momento, e não só em situações como essa
que eu acabei de citar. Algumas pessoas
não abrem mão disso. Não se cansam
de pegar atalhos que às vezes custam a
própria vida. E eu acho que não
preciso detalhar tanto essa questão, cada um
encaixa aqui o que achar mais
conveniente. Só o que sei é que já passou da hora
de parar com essa
hipocrisia e fazer valer de uma vez por todas a honestidade
humana, que eu
como uma brasileira desesperada, ainda acredito que possa
existir. Também
acredito que as pessoas possam se arrepender e pedir desculpas.
Assim como
também tenho a capacidade de fazê-lo. Eu sei que esse é um dos
caminhos mais
longos que a gente pode escolher para ser perdoado e se perdoar.
Mas eu não
aprecio os resumos, os atalhos e as facilidades. Posso até pegar
carona, às
vezes, quando isso não me custa a consciência. Mas entre cortar
caminho e
seguir adiante, prefiro deixar que os "sem esforços" cheguem na minha
frente.

10 comentários:

BiahH_TrixX disse...

Mutanteee... falou td aiii...

mas..são nessas horas q agradeço por não escrever bem,porque ai o povo não roba minhas ideiasinhas descabidas.. ;P
Huuahsuashuashauhsa

Blog perfeito como sempre.

bjokas.

Fabio Bittar disse...

Muito bem.

Camila disse...

Incrivel,há uma semana eu descobri que tem uma pequena vaca que também copiou alguns dos meus textos. Mas como não sou fina, resolvi apresentar a ela a minha coleção de palavras de baixo calão! Se quer postar algum texto que não lhe pertence deveria ao menos por os créditos, mas não adianta esse povo não aprende!

bjinho

l'esprit fabuleux disse...

aaah disse tudo :)
é uma pena que existam pessoas assim na vida, em todos os sentidos :/

te amo :*

Dinha disse...

Concordo com seu texto
se as pessoas n tem criatividad
pra fazer um blog e ficam pegando ideias dos outros
pra q querem blog? é só num fazer e dexa agente em paz.

gostei do seu blog t linkei ok
ta perfect

bjs

Fernanda Manzatto disse...

PARABENS! (:
concordo.
beijos,
;@@

Fabio Bittar disse...

(Recebi seu post sobre Português e Axé através do "RSS" Google Reader, mas não encontrei no site.. resolvei comentar aqui mesmo.)

Dissertações sempre serão abomináveis, especialmente as escolares, ainda que o texto seja crasso e o tema estapafúrdio, tornando-o minimamente hilário a quem lê; eu sempre odiei escrever qualquer tipo de dissertação – ninguém gosta de dissertações porque carecem de personalidade e opinião! Claro, as ilações e pressuposições nos ajudam a imbuir sentido e caráter (às vezes até opinativo) a um texto dissertativo, mas eu ainda os odeio. Igualmente odiado o Axé. Dissertações e Axé jamais serão bem-vindos.

Não sou fã incondicional do texto informativo (ora dissertativo por natureza) nem do absurdo conativo de todas essas propagandas, comerciais e anúncios sincréticos que vemos presos às paredes, postes, sites da Internet (o substantivo em letra maiúscula, controverso à pequenez do ambiente virtual que mais parece um infinito repositório de pornografia on-line) e praticamente todo ambiente habitável do planeta, e de nada adiantaria impugnar jornais, revistas e canais de tevê aberta e fechada: o português é estuprado diariamente, nas escolas e nas oficinas de escrita – nos escritórios e redações também.

É o Brasil e suas reformas ortográficas; nosso censurável dever cívico, a preservação da língua pátria. Se os pobres, os ricos e outros mais ignorantes desconhecem a atual grafia, por que não apresentá-los a uma nova? Serão milhares de novas edições de velhos clássicos, tiragens de livros didáticos, correções do incorrigível, traduções do russo e do francês. Alguém terá de fazê-lo, alguém terá de lucrar com a última reforma, alguém vai maquinando a próxima fanfarra, quem sabe daqui duas ou três décadas, ou será cedo demais? A partir de 2009, sorria, escreveremos tão pouco e mal quanto antes, e agora em sintonia direta com os que mal e pouco escrevem na África. Fantástico! Deviam obrigar as crianças a estudar História da África (hum, descobri que a lei, pasmem, já existe, mas ninguém conseguiu professores suficientes para ensinar).

Bo, matemática nunca foi meu forte. Ou física ou química. Aliás, na escola, eu não era bom em nada, excluindo-se aula de artes, história e geografia. Português era doido. Os professores da minha escola particular eram doidos. Mas vivi bons momentos matando aula na detenção. De lá pra cá estudei propaganda, fiz um tempo de cinema, pulei pra arquitetura. Simultaneamente, empurro uma faculdade de letras com a barriga. Muitos desenhos, muita leitura, uma coisinha ou outra rabiscada num papel (virtual) e só. Descobri que ser tolerante não é meu forte. Nem paciente eu sou.

O português “ruim” e o Axé jamais serão bem-vindos.

P.S.: Escreva seu endereço de MSN num e-mail para fabittar “@” gmail -ponto- com. =)

Jéssica disse...

Deve ser horrível. Eu tenho a leve sensação que alguma coisa minha já pegaram e não me deram os créditos. Mas nunca consigo encontrar (tanto texto quanto perfil no orkut).

E, quer saber, é até melhor. Só assim eu não fico sabendo dessas baboseiras que as pessoas pensam que falam.

;D

*Lusinha* disse...

Felizmente não passei por esse tipo de coisa, mas imagino que deva ser revoltante!
Bjitos!

GaBe- disse...

isso aconteçeu comigo umas 2 vezes taambem.E não falei nada pras meninas,porque não vol ficar me rebaixando pra algumas meninas insignificantes e sem personalidade.(deu até pena).
geeente me desculpa,eu roubei uma frase sua,mais foi bem pequena:) ,e coloquei no meu blog,só que eu coloquei la os créditos tá? espero que tu nao fiques chateada,porque foi com as melhores intençoes,e era bem a frase que eu procurava ,mais nao encontrava.
então,maandou ver aí.
Acho que pessoas assim,deviam era ter vergonha,porque é ridiculo saber que voçe a pessoa recebe elogios,por um texto que nao foi ela que fez.
a propósito,eu li quaze todos os teus posts,e adoorei mesmo.
Parabens pelo blog:)!

bgs:*!