9 de ago de 2008

...

Sabe o que me assusta em você? O medo
que você tem de deixar o discurso de lado e se aventurar um pouco. A
resistência aos seus impulsos, medos e precipitações. Os ideais inabaláveis,
as
criticas existenciais e os méritos que só você pode ter. Me assusta ter
certeza
que você pensa duas, três, quatro vezes antes de falar algo que pode
melhorar
uma pessoa, ou até a sua própria consciência. Imagino o seu
semblante quando as
minhas perguntas se tornam difíceis e você, outra vez,
repensa sobre "tudo
isso". Às vezes queria ser assim também: certa e
realista. Mas por mais que
eu coloque as coisas onde elas devem estar, no
outro dia percebo que
ninguém tem esse direito. E que tudo pode mudar,
tudo pode acontecer, tudo.
Mesmo que depois eu acabe frustrada e seja
obrigada a concordar que viver assim,
impulsivamente e sem papas na língua,
é muito mais complicado do que viver com
os pés sempre no chão. Mas não me
arrependo das coisas que eu disse, das ruas
sem saídas que eu entrei e dos
atrasos que eu perdoei. Também não tenho medo de
me arrepender um dia, ou me
tornar uma pessoa como você. Como eu disse, tudo
pode mudar... Mas enquanto
isso não acontece, vou continuar quebrando as
regras que não
fazem o menor sentido, distorcendo os discursos que
não me convencem, e reclamando do castelo de certezas que você construiu e
insiste em permanecer trancado. Tudo isso porque eu me importo e muito
com a sua
felicidade...

7 comentários:

danisita disse...

eu tenho muito medo de me arrepender das coisas *-*
queria ser assim..."sem papas na lingua"

Carol disse...

Oii
adorei aqui
amei o texto *-*
me add aqui?!!?
^^
;*

Carol disse...

Ahh brigada por adiciona
^^
;*

tati.loureiro - )O( disse...

Nossa, esse texto é maravilhosoo, fala muuito do meu relacionamento!!

Beijoos!

Jéssica disse...

É esse medo que torna tudo mais interessante, mais aventureiro, mais sagaz. A fome do medo nunca acaba, mas também nunca está satisfeita.

Não tenha medo de se arrepender depois. Você pode acabar se arrependendo por não ter feito.

:*

l'esprit fabuleux disse...

o medo é necessário, mais o que importa é ter a coragem de quebrar eles, porque isso ajuda em nosso crescimento,

amei o texto, me deixou sentindo tudo isso, te amo bru

Fabio Bittar disse...

Antes de tudo, admitindo que seu blog é verdadeiramente interessante, parabenizo a força de vontade necessária à manutenção de uma fonte inesgotável de dores de cabeça. Sim, porque a iminência do ato de escrever muito me perturba; falemos então de tudo o que me agrada quando leio seu blog: autenticidade púbere, talvez. Mas você me confronta com palavras tão maduras que às vezes questiono sua identidade. Quantos anos há em você?

Habilidosa em expressar-se, parece-me algo como uma pequena beletrista num corpo espichado de adolescente. Mulher em idade de transgressão. Sei lá. Conquistou minha curiosidade, fez-me leitor.

Parabéns pelo empenho e franqueza. Sobreviva a escola pública.