3 de jan de 2008

O que sobrou do seu tempo?

O que sobrou do seu tempo?
O que você trouxe de bom, do seu antigo tempo?
Restaram apenas algumas xícaras aqui...
E ele se lembra todas as noites, enquanto ouve The Commodores,
Que as ruas tranqüilas do bairro misterioso,
Faziam toda a diferença quando os conflitos perturbavam a sua mente.
Jamais retribuiu a alguém...
E o que sobrou do seu tempo?

O que você trouxe de bom, do seu antigo tempo?
A vontade de chorar se torna sufocante.
Como se já não bastasse a atmosfera opressiva do seu quarto abafado.
Tantos anos se passaram.
Tantas paixões se passaram.
Tantos cigarros e vinhos.
Tantas resistências se passaram...
E o que sobrou do seu tempo?

O que você trouxe de bom, do seu antigo tempo?
O medo de viver sozinho na cidade abrigo,
Que abraçou a ele e seus irmãos pequenos...
Suprido foi, rasgado e concluído.
E restaram alguns ou apenas um fruto...
Mas o que sobrou do seu tempo?

O que você trouxe de bom, do seu antigo tempo?
Poucos e suficientes sonhos, ainda o fazem esperar para dormir
Mesmo quando o sono o espia à horas...
Certezas? Nenhuma.
Caprichos que a imaginação não deixa escapar nem nas noites frias...
Nem quando as roupas são poupadas.
Nem quando ele sente, que já é hora de parar...
Pois então, me diga...
O que sobrou do seu tempo?

O que você trouxe de bom, do seu antigo tempo?
Ele não encontra os sapatos,

E eu continuo sem as minhas respostas.

Nenhum comentário: