9 de dez de 2007

Longe...

Eu estou tão longe.
Mas você esta sempre tão perto de mim.
Daqui eu posso ouvir as batidas do seu coração,
As luzes dessa noite não ofuscam o brilho dos seus olhos,
Eu posso vê-los quando os meus se fecham.
Esta fazendo frio...
Os ventos que você tanto odeia são pra mim inofensivos.
Eles nos unem agora, tocam seu rosto e traz até mim o seu perfume.
Mas a sua voz que vai para o mar, as ondas calam.
Eu não posso sequer ouvir o seu choro, mas as batidas mostram...
Talvez você fosse pra mim o remédio das moléstias incuráveis de uma vida.
Talvez eu fosse o seu remédio.
De todas incertezas, o amor é real e grita.
De toda tristeza, a visão dos seus olhos pequenos é a alegria e canta.
Nada é tão vivo como esse sonho.
Nada é tão sofrido como a frustração de ser um sonho.
Eu queria poder mudar tudo isso ou um pouco disso.
Não posso fazer nada, mas o tempo pode, então eu espero.
Vou estar sempre aqui.
Nada, nem sonho, nem tempo, nem ondas vão calar o meu amor.
Eu prometo.

Nenhum comentário: