14 de fev de 2008

As questões estão sem respostas...

E esse silencio deixa o quarto mais frio.
As vozes estão roucas e quase não saem
Agora todos querem medir as palavras...
Não adianta se fingirem de loucos
Atrás eu vejo que sabem o que dizem.
Tudo tão calculado...
As mesmas investidas
Às vezes certeiras, às vezes falhas.
Não é a primeira vez que eu vejo essa cena
Mas continuo me sufocando...
O desprezo não está mais lá fora.
Atrás eu vejo que são os mesmos egoístas de sempre.
Eu percebo quando a chuva cai no lugar do Sol.
Os efeitos colaterais
Mancham a pele de vocês
E enquanto o desprezo me sufoca...
O silencio esfria vocês.
Nem o tempo muda essa história
É verdade , não temos as chaves para sairmos dessa
E eu menti quando disse estar confiante.
Meu sonho não era áureo
Mas nada poderia abalar a parte mais fraca e desprotegida.
Ok , ainda temos tantos segredos
Eu só queria estar mais perto de vocês
Mas quando me encosto a essa parede e vejo as coisas assim...
Não sei quanto tempo ainda temos
Acontece que a minha vida
Parece estar cada dia mais surreal
E esses momentos que eu queria esquecer...
Eternizam.
Eu só espero que vocês me entendam e sejam de propósito.
Não vou fechar os olhos denovo.
Por pior que seja , quero saber o que são de verdade.
E caso fosse um sonho
Nada iria me fazer esquecer dos detalhes
Seria um grande sacrifício...
Então dêem um passo , que eu estarei lá
Esperando por vocês...
Esperando para atacar vocês.
De propósito.

Nenhum comentário: