16 de mar de 2008

SÁBADO, 15 DE MARÇO

A cada atraso, percebo que o relógio é um dos meus melhores amigos. O ponteiro marcando a hora indesejada, faz-me odiar o sono, os sonhos, o alarme e o sol que nasce preguiçoso deitado por entre as nuvens. Infelizmente não percebo o sinal do objeto. Não estou bem. Olho-me no espelho ordinário, pendurado na parede amarela do meu quarto e tenho a (comum) sensação de que vou me arrepender de ter levantado. Eu adoro e ao mesmo tempo odeio estar sempre certa. Sinto-me viva, mas estou morrendo.

Saio. Vou de encontro ao asfalto molhado da chuva que caíra a noite toda. O ônibus vem insano, cheio de gente quente que deseja fumaça. Meu dia começou triste e eu me sinto fria apesar do calor humano. Não pode ter sido as palavras jogadas contra mim na véspera. Eu não me importo com as pessoas. Acho-as grandes hipócritas e sei que não vou mais ser enganada por elas. Mas eu ouço algumas vozes latejarem na minha audição atenta... Eu não posso obturar isso.

Devo estar maluca! Quando preciso deixar meus ouvidos aplicados para a aula, só consigo me imaginar longe... em outro lugar e tempo. Não sei porque estou andando rumo a uma arvore gigante repleta de flores coloridas; mas é o que vejo quando a porta se fecha e o professor começa a falar. Estou sozinha no pensamento. Sozinha na sala. Sozinha no mundo e fora dele também.

Enfim, achei graça no dia cinza e frio de sábado. Enquanto minhas amigas devoram lanches do MC Donalds, sucos naturais, saladas e afins, eu almoço um pastel de feira e ouço ao fundo risadas e conversas paralelas. Não contive risos. Mas o dia estava pesado, a atmosfera opressiva e as pessoas estavam quentes demais para um dia chuvoso.

Algumas companhias acabam por me deixar desesperada. Eu sei que não tenho sorte e só olho pra caras errados. Mas o que eu posso fazer? Ficar o tempo todo pensando e imaginando coisas surreais? Meus olhos, às vezes se mexem sem que eu possa impedi-los e ai acontece... Fico momentaneamente apaixonada, como se amasse a décadas de existência. Amarga ilusão!

Obrigada noite! Eu sou sua adoradora e sempre serei. Voltar pra casa é tão bom quando a chuva está para cair. Mas melhor do que retornar depois de um dia salgado, é ir direto à um show de rock, fumar por tabela todos os cigarros da noite, sentir a batida dos instrumentos no estômago e não ouvir mais nada além da música alta e estridente das bandas da cidade.

Infelizmente passou rápido demais... Veja só onde estou agora.

Sábados...

2 comentários:

Daniel disse...

oia só... gostei demais da conta siô!
Tá melhorando a cada texto, bom ver isso, moça
Bjão

Giuliana O. Santana disse...

Seus textos são lindos,Bru...
Fiquei boba mesmo..
Quando vi o tamanho, desanimei um pouco, mas valeu muuitão a pena. São bem escritos, claros e nos fazem pensar.

Como você disse no meu blog, "para escrever tão lindo assim tem que estar de bem com a vida."
Então estais ó-t-e-m-a !!
ahauhaaoihaoha
beijoos